quinta-feira, 6 de setembro de 2018

ELEIÇÕES NO SPORTING



«Tempo de reflexão e autocrítica» 

«O SPORTING conhece o nome do seu 43.º presidente no sábado. A fazer fé nas sondagens, João Benedito (39 anos) e Frederico Varandas (38 anos) lideram destacados as intenções de voto, muito à frente de José Maria Ricciardi, e encontram-se em situação de empate técnico. Tudo aponta para que um deles ganhe o apetecido cadeirão (ou não tivessem concorrido sete candidatos - sete!) o que quer dizer, por um lado, que o clube não se encontra numa situação tão catastrófica como alguns (não inocentemente) teimam em apregoar; por outro, que os sportinguistas vão eleger um presidente muito novo – veja-se a título de exemplo que Pinto da Costa tem 80 anos e Luis Filipe Vieira, 69.

A campanha eleitoral decorreu com civismo apreciável e houve momentos de discussão e troca de ideias francamente animadores, num sinal de que o Sporting se encontra a caminho da normalidade depois de seis meses a viver em estapafúrdia convulsão. É claro que a situação financeira (leia-se: cumprimento de obrigações inadiáveis) será a primeira preocupação do presidente eleito, que terá de negociar o que tem de ser negociado e garantir o que tem de ser garantido, previsivelmente com a benção de quem tem assegurado a viabilidade económica do Sporting. Para quem torce o nariz à «tenra» idade (sugerindo inexperiência ou amadorismo) do futuro presidente em assuntos tão complexos, lembro que Bruno de Carvalho tinha pouco mais de 40 anos quando negociou (parece que bem) a sobrevivência com a banca e, mais adiante, arrancou da NOS um contrato fabuloso que deixou os próprios rivais desconcertados.

Haverá outros assuntos prementes em relação aos quais o próximo presidente terá obrigatoriamente de se pronunciar. O ataque à Academia é uma ferida em aberto – ninguém admitiria que os responsáveis materiais e morais ficassem impunes; assim como há rescisões litigiosas (Rui Patricio, Gelson, Rafael Leão, Podence …) para resolver, nem que seja pela via judicial; e um caso Cashball) por explicar – assunto melindoso que pode vir manchar a imagem do clube e arrastar alguns sportinguistas pela lama. Mas o Sporting não viverá em paz enquanto não se fizer luz sobre estes assuntos.
As instituições sérias não assobiam para o ar e fingem que não se passa nada quando se encontram sob suspeita.

Depois, o futebol profissional, sempre a mola impulsionadora de qualquer grande clube. O que quer fazer o Sporting? Qual é o plano? Qual é a ideia? Qual é o caminho? Sobre este assunto, ouvimos alguns candidatos reconhecerem o que é óbvio e entra pelos olhos adentro [a recusa da cegueira é sempre bom sinal]: o clube tem de parar, reflectir, fazer autocritica. Reconhecer que os erros cometidos nos últimos anos - nas últimas décadas ! – foram mais responsáveis pelos fracassos (quatro campeonatos em 44 anos!) do que as putativas malfeitorias dos árbitros e dos sistemas criados pelos rivais – primeiro o FC Porto, agora o Benfica.

O quadro em anexo mostra de forma simplista a posição do futebol do Sporting no contexto dos três grandes desde a revolução dos Cravos (abril de 1974). Basicamente, o Sporting ganhou metade dos títulos do Benfica (21-41) e um terço dos títulos do FC Porto (21-64). Uma diferença colossal que encontra reflexo óbvio no campeonato: 4 para os leões, 16 para as águias (o quádruplo!), 23 para os dragões (quase o sextuplo!). O Sporting registou ainda 58 mudanças de treinador (incluindo 12 soluções interinas), contra 37 do Benfica (6 interinos) e 34 do FC Porto (4 interinos). E teve 12 presidentes (sábado elege um 13.º) contra 9 do Benfica (embora Vieira já esteja no poder há tanto tempo, 15 anos, como os 5 presidentes que o antecederam…) e apenas 2 do FC Porto (Américo de Sá e Pinto da Costa, no cargo desde 1982).

Há um padrão de inconstância e navegação à vista que tem penalizado fortemente o Sporting que, paradoxo dos paradoxos!, é o clube que tem produzido os jogadores que mais se distinguem nos grandes clubes internacionais, os únicos que ganham Bolas de Ouro e que estiveram, massivamente, na base do único título ganho pela Selecção Nacional. O clube que produziu Futre, Figo, Simão, Quaresma, Ronaldo, Nani, Moutinho, Patricio, Adrien, João Mário e William, entre outros campeões europeus, é o mesmo clube que ganha um campeonato por década. O primeiro presidente do Sporting que resolver
este absurdo tem meio caminho andado para a felicidade».
Artigo de opinião de André Pipa no Jornal Record

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

EMAILS E ESCUTAS?!


Estes 'casos' que tem vindo a público sobre o Benfica não dignificam em nada a credibilidade do clube e do futebol português em geral. Na minha opinião, é deixar a justiça fazer o seu trabalho e castigar os culpados de todo este 'lamaçal'. 

Vou aguardar por provas concretas e pelas decisões dos nossos tribunais sem 'entrar' na 'peixeirada' que por ainda anda, em especial, nas redes sociais com os fanáticos do costume, que continuam enveredando pela 'velha máxima' - os do meu clube e do meu partido é que são bons, os outros são todos corruptos. Quem assim pensa, pensa mal! Bons e maus existem em todos os clubes e em todos os partidos. 

Até lá, o que interessa à malta que gosta de futebol dentro das 4 linhas, é saber se existe ou não algum email ou alguma escuta (como aquelas famosas escutas de há uns anos que ainda 'pululam' no you tube) em que se prove que o Benfica comprou algum árbitro ou jogadores de equipas adversárias. 

É que já há um ano e tal que andamos neste 'regabofe'!... E, ainda não vi um único email nem ouvi uma única escuta sobre algumas insinuações e afirmações.

domingo, 2 de setembro de 2018

Asssim vai a arbitragem em Portugal



O que se tem visto nos últimos 8/9 dias dentro dos relvados portugueses é de bradar aos céus, agora, com uma novidade - as 'directrizes' dadas por Fontelas Gomes (esse iluminado da arbitragem, que, desta vez, tem razão) aos árbitros no início da época não se fazem sentir dentro dos relvados. 

Tem sido um pagode que mete medo ao susto os critérios para avaliar lances dentro das áreas. Realmente em quase tudo o que envolve a arbitragem portuguesa e os seus principais actores, quando asneiam, os colegas 'paineleiros' conseguem encontrar as explicações mais mirabolantes. A hipocrisia tem limites e os 'mind games' também! 

Continuo a ter saudades de árbitros com os tomates no lugar, como Veiga Trigo, por exemplo. Dos poucos que no seu tempo o sistema não conseguiu controlar.

terça-feira, 28 de agosto de 2018

A noite em que se quebrou o ciclo do ódio



As ignições sucessivas de ódio e estupidez, promovidas por inúmeros incendiários com responsabilidades no futebol português, criaram o insuportável clima de animosidade e ressentimento em que mergulhámos nos últimos anos e resultaram numa guerra que produz apenas vencidos. Só quebrando o ciclo vicioso de agressão seguida de retaliação – e de nova agressão com nova retaliação e por aí fora – será possível pôr fim a um conflito que tem tanto de imbecil como de inútil.
Nunca até ao passado sábado algum dos envolvidos na vergonha havia tido a grandeza de tomar a iniciativa de dizer: acabou. Foi preciso o retorno ao ativo de um presidente jubilado e imune à doença para se dar esse primeiro passo. Os insultos a Sousa Cintra, Torres Pereira e Marta Soares, nas redes sociais, por parte dos radicais do próprio clube – muitos já nascidos no caldo de acrimónia permanente – pela presença na tribuna durante o dérbi da Luz, só confirmam a extraordinária dimensão do seu corajoso gesto. Só espero que a nova direção leonina não volte a cair na tentação do compromisso com a turba ululante.
A seguir, a última parte das declarações de Sousa Cintra ao jornalista Neves de Sousa, em março de 1990. O atual líder da SAD leonina explicava, na primeira pessoa, as negociações que o conduziriam à liderança.

O vazio que levou Cintra à presidência (conclusão). Não queria ser moço de recados nem figura decorativa. O Sporting não se compadece com essas coisas. Cortei com eles e estava cortado. Decido avançar sozinho, arranjo umas pessoas à pressa porque não tinha ninguém e não estava metido nestas coisas do desporto. Foi tudo uma coisa feita à pressa. Arranjei um quadro em cima do joelho. Depois de muita conversa e muita louça partida, finalmente acerto com o Carlos Monjardino: se ele quisesse candidatar-se, eu desistia em favor dele. Disse-lhe isto. Continuei a avançar, preparei umas coisas para a campanha e estava eu muito bem descansado quando me apareceu o advogado, dr. Abrantes Mendes, e o médico, dr. Costa, com uma mensagem do dr. Monjardino. Tinha decidido candidatar-se e era para ver se eu desistia. "Com certeza, só tenho uma palavra". Então, convoquei uma conferência de imprensa para dizer que, tal como estava combinado, eu desistia a favor do Carlos Monjardino. E estou na conferência quando o telefone toca e me dizem que o Monjardino tinha decidido desistir outra vez. Ainda pensei se seria verdade. Cheguei ao escritório e tinha uma carta, entregue às seis e meia da tarde, com protocolo, a dizer que ele desistia. Aquilo parecia uma autêntica palhaçada. Depois da conferência de imprensa... Era para deixarem o Simões completamente livre. Eu já tinha desistido. Porém, tive muita pressão dos sócios, de diferentes grupos: vinham para aqui [escritório da Vidago] e para minha casa esperar por mim, com bandeiras... Arranquei praticamente na ponta final, tive só três dias, foi uma coisa em cima da hora. Da minha lista, só algumas pessoas é que eu conhecia...

Em 24 de junho de 1989, Sousa Cintra foi eleito presidente do Sporting, com 40.898 votos. António Simões obteve 16.063, Jorge Gonçalves 6.522 e Miguel Catela 109 votos. Era o fim da crise.
Artigo de opinião de Alexandre Pais no Jornal Record

sábado, 25 de agosto de 2018

Aguardando pelo Derby...

«Os Meninos à volta da Fogueira»



«BENFICA-SPORTING. Fogo que arde à vista de todos… na cidade. Mais um derby, o primeiro em nove anos sem a carismática presença de Jorge Jesus. 
Benfica, no ano 4 da era Vitória, surge mais entrosado e calejado: parte claramente favorito (…) Sporting com treinador novo e direcção interina ainda está a recompor-se do Brunamoto sofrido em maio (…) 
A baixa de Bas Dost pesa (…) Bom era que antes, durante e depois do duelo prevalecesse o civismo que tão arredio tem andado na relacionamento entre os velhos rivais. Que se apresentam iguaizinhos em pontos (6), em golos marcados (5) e sofridos (2)… e em promessas de amanhãs que cantam. 

Do lado do Benfica, o calmeirão Gedson Fernandes (19 anos) chegou-se à frente e tem feito sensação. Rui Vitória deu-lhe uma oportunidade e ele agarrou-a com gana. Tem impressionado pela dimensão física do seu jogo, pelo desplante e pelos «slalons» que lembram os de Renato Sanches há dois anos. Não sei se Gedson será um segundo menino de ouro e cumprirá trajectória tão fulgurante como a de Renato. 
Mas vejo que traz a nação benfiquista pelo beiço (aos adeptos seguem sempre com carinho especial os produtos da casa) e parece ter qualidade para voar alto e cumprir a histórica sintonia do Benfica com a boa e velha magia africana – lembre-se que Gedson veio de São Tomé, um dos sitios mais belos e luxuriantes do Mundo Lusófono.
Jovane Cabral (20 anos) também chegou de uma ilha atlântica Lusófona – Santiago, Cabo Verde – e teve participação decisiva nas duas vitórias do Sporting – assim que entrou virou o jogo do avesso. Felino, potente e explosivo, Jovane tem dado nas vistas pela velocidade, pelo descaramento e pela verticalidade, na melhor tradição dos «agitadores» formados em Alcochete. Perdidos [à má fila] Gelson Martins, Rafael Leão e Podence, os sportinguistas começam a ver em Jovane o enésimo continuador da mais famosa dinastia mundial de extremos e interiores – a que produziu, entre outros, Futre, Dani, Figo, Porfírio, Boa Morte, Simão, Hugo Viana, Quaresma, Ronaldo, Nani, João Mário, Bruma, Carlos Mané, Iuri Medeiros, Gelson e Rafael Leão.
Deixemos os meninos à volta da fogueira. Falemos agora dos graúdos.

Depois de Luís Filipe Vieira ter dito umas baboseiras sobre a necessidade de «pacificação» do futebol português, a comunicação do Benfica desatou a disparar sobre o FC Porto numa inversão da estratégia da época passada. Mesmo aceitando que a hipocrisia no futebol não conhece limites, julgo que esta última publicação benfiquista (no Twitter) relativamente ao FCP - «Prendam-nos. Enquanto não os prenderem isto vai continuar a palhaçada de sempre» - é uma tirada demasiado arriscada para quem se habituou a ter a PJ em casa e está envolvido em vários processos judiciais constrangedores. 


O Benfica de Vieira & Gonçalves tem telhados de vidro demasiado fininhos para se poder dar a estes desplantes. Mas pronto. O Sporting fica a saber que, consoante as incidências do derby, pode ser o próximo destinatário da hiperactiva propaganda encarnada; Sporting que, por outro lado, não consegue livrar-se do homem (Bruno de Carvalho) que passou os últimos tempos a disparar contra o Mundo e a safar Vieira de aparecer nas primeiras páginas. 

Mesmo depois de ter sido implacavelmente expulso da presidência do SCP por larga maioria de sócios, Bruno diz que ainda é o boss e continua a tentar desestabilizar a equipa de futebol com iniciativas difíceis de avaliar por quem não seja versado em psiquiatria. Todos estes disparates seriam hilariantes se não revelassem o estado patológico das lideranças. Pela amostra dos últimos dias, esta época não será diferente da última - que foi miserável. Benfica e FC Porto continuarão a agredir-se sem descanso e o ruido será cada vez mais insuportável. A ver se o próximo presidente do Sporting escolhe outro caminho».
Excerto de um artigo de André Pipa no Jornal «A Bola»

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

A comissão está esperando o quê?!...

...para de uma vez por todas expulsarem esse gajo e, já agora, convencerem a família e amigos ao internarem numa clínica para reabilitação. 


Este homem já não está fazendo só mal ao Sporting, está 'manchando' o futebol português além fronteiras. 



 

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Por onde anda o Jonas?!

O futebol praticado pelo Benfica esta época tem encantado qualquer amante da modalidade, mas a finalização peca por escasso.  Há também alguns acertos por efectuar no sector defensivo, mas o mais difícil de introduzir numa equipa de futebol - a ideia de jogo do seu treinador - está conseguida.
É urgente o regresso de Jonas, ou então, gastar uns milhões num atacante que faça a diferença.
Este 'azar' com a situação de Jonas e as dificuldades de adaptação (será só isso?!...) de Ferreyra, poderão ditar o primeiro amargo de boca caso o Benfica não dê a volta na Grécia ao resultado do jogo de ontem.

E ainda em relação a este Benfica de Rui Vitória, subescrevo o que o amigo João Martins escreveu na sua página do facebook:

Não vendo muitas vezes o Benfica jogar dou por mim a pensar: "que injustas são as críticas a Rui Vitória".
Sem ironia, o Benfica joga p'a caraças - foi o que eu vi.
André Almeida, Pizzi e o miúdo Gedson não jogam como jogam por serem treinados por Mourinho ou Guardiola ou Ancelotti ou Zidane ou Jesus.
Se Rui Vitória pudesse contar com tipos como Pogba e Lukaku... não perdia pontos com os "Brighton" desta vida.
Mas o pessoal que diz gostar de desporto só gosta mesmo de ganhar. Dizer "gostar" é um embuste.


quinta-feira, 16 de agosto de 2018

É com cada uma que mete medo!



Um gajo quer fazer um post com algo de positivo mas não consegue. 

Hoje, mais uma 'machadada' no futebol cá do burgo - a eliminação do Braga. 

Há poucos dias fiz um post em que disse isto sobre o Braga: 
- Há também quem deposite muitas fichas no Braga de Abel Ferreira, mas parece-me que não será nada do que estão pintando. 
Continua actualizado em relação às outras provas em que os bracarenses se encontram envolvidos.

Não quero ser mais 'esperto' do que ninguém e, por vezes, gostava de me enganar, como é o caso em relação a este Braga, versão 2018/2019. Eles não deixam.

O azelha do 'Flopetegui' no seu melhor



Difícil de perceber a razão. 

O que é que levou os azelhas, dos dirigentes do FC Porto e dos nossos vizinhos espanhóis, a contratar o azelha do Lopetegui para assumir, primeiro, o FC Porto, depois, o comando da roja e, agora, este colosso mundial de nome Real Madrid?... 

Eu, na minha ignorância, não consigo encontrar uma única razão, mas, desconfio.

Antigamente existiam treinadores com um perfil adequado para estas funções, conhecedores, combativos, carismáticos, que davam seguimento a bons trabalhos de colegas anteriores. 

Agora, provavelmente, deixam tudo nas mãos de empresários, que, obviamente, lhe passam para as contas bancárias (particulares) algumas comissões generosas. Só pode…!

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Este Benfica está fortíssimo



O Benfica deu hoje mais um importante passo para entrar na fase de grupos da Champions League. Agora, falta ultrapassar o PAOK. 


Este Benfica está fortíssimo, atrevo-me mesmo a dizer que é o Benfica mais forte desde que Rui Vitória chegou à Luz em termos de futebol ofensivo. 


O Benfica chega ao último terço do terreno com muita mais facilidade do que em épocas anteriores. Para isso, muito contribui o 'menino' Gedson na interpretação deste modelo de jogo personificado num sistema táctico de 4-3-3 com bola e 4-1-4-1 sem bola. Fejsa, Gedson e Pizzzi estão num excelente início de época e é no meio campo que se começam a ganhar jogos.


Falta apenas ser mais eficaz na finalização (com Jonas a 'música' será outra) e aperfeiçoar o momento defensivo quando se perde a posse de bola.

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Vem aí mais um campeonato



É já manhã que tem início mais um campeonato da I divisão em Portugal, como eu ainda gosto de lhe chamar. Espero que o ruído, as pressões, e as artimanhas do vale tudo para ganhar, seja muito menor do que na época passada. 


Em relação aos três grandes, não é ainda o momento para fazer previsões, mas em relação a clubes que costumam andar na corrida por lugares europeus, há dois que vão desiludir, pelo menos, enquanto tiverem os actuais treinadores - o Rio Ave de José Gomes e o Marítimo de Cláudio Braga. 


Há também quem deposite muitas fichas no Braga de Abel Ferreira, mas parece-me que não será nada do que estão pintando. Estou muito mais virado para um excelente campeonato do rival Guimarães de Luís Castro. 


Algumas equipas que enquanto não mudarem de treinador não vão andar por bons caminhos: 

- O Rio Ave de José Gomes;
- O Marítimo de Cláudio Braga;
- O Nacional de Costinha;
- O Setúbal de Lito Vidigal;
- O Portimonense de António Folha;
- O Moreirense de Ivo Vieira.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Hoje recomeça o pagode



Hoje, pelos vistos, tem início na CMTV o primeiro debate entre candidatos à presidência do Sporting, são tantos que nem sei o que dizer de tal abismo. 

O que sei, é que muito 'boa gente' vai-se arrepender de não ter 'irradiado' de sócio o presidente destituído. 

O Sporting, como grande instituição de respeito deste país, não merece o mal que lhe tem feito e, pelos vistos, continuam a fazer.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Mais um ou dois golos teria sido o ideal



O Benfica venceu esta noite o Fenerbache por 1-0 num jogo com excelentes momentos de futebol e com algumas nuances que me deixaram de 'boca aberta': 


- com o calor que se tem feito sentir, este Benfica acabou o jogo com uma frescura física que eu não estava nada à espera.


- boas dinâmicas ofensivas, mas ainda alguma dificuldade na finalização (ai Jonas, que falta que tu fazes?!…). Hoje, na Luz, mais um ou dois golos para os encarnados teria sido o ideal. 


- com Jonas, este Benfica não vai facilitar como na época passada, há neste plantel matéria prima que deixou de existir em 2017/2018 em termos de qualidade/quantidade. 

É necessário segurar Jonas!, não me venham com lesões antigas porque hoje em dia ninguém vai a jogo numa equipa como o Benfica se não estiver a 100 por cento. E, Jonas, foi a jogo as vezes que Rui Vitória entendeu na pré época. O problema é outro e Vieira tem que o resolver.

De regresso e com um pedido de desculpas



Praticamente um mês e meio depois (mais dia, menos dia), estou de regresso a este humilde espaço. Desde já, um pedido de desculpas a todos os que por aqui passam, mas, por motivos de ordem pessoal e profissional esta ausência teve mesmo que acontecer. 

Os meus parabéns ao campeão FC Porto pela conquista da Supertaça Cândido de Oliveira e boa sorte ao Glorioso para logo mais! 

Que os benfiquistas façam do actual estádio da Luz um autêntico inferno no apoio ao Benfica nessa missão deveras difícil, que é ultrapassar estes turcos do Fenerbache.

sábado, 16 de junho de 2018

O resultado foi bom!



Para alguma 'malta', ontem, parece que não jogamos contra à forte selecção espanhola, mas sim, contra o Bangladesh. 
Enfim...há que ter olhos na testa e admitir que fizemos o jogo possível contra uma selecção que é mais forte do que nós, mas não tem um CR7. 


No nosso 11 inicial de ontem, estiveram 10 bons jogadores mais 1 de outro mundo. E, ainda bem que o temos! 

Espero estar enganado e que consigamos mesmo ir mais longe do que a fase de grupos ou 1/8 de final. 


Quarta-feira, temos mais um jogo muito difícil, esta selecção de Marrocos não é pera doce, só um Portugal muito forte os poderá levar de vencida.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Portugal - Jogamos Todos! (Mundial 2018)

LOPETEGUI FORA DO MUNDIAL



Federação anuncia que destituiu o técnico. Uma Bomba no país vizinho a dois dias da estreia no mundial.
 
 Alguns dirão - um erro que pode destabilizar os jogadores.
 
Na minha opinião - já devia ter sido ontem!
 
El presidente de la Real Federacion Española de Futbol tiene unos 'grandes cojones'!

terça-feira, 12 de junho de 2018

Tal labrego...



Afinal, nesta vida, é possível acontecer de tudo. Alguém me explique de uma vez por todas, como é que esta criatura chegou, primeiro, a treinador do FC Porto, depois, a seleccionador da Espanha e, agora, a treinador do Real Madrid?! 

Quem é que andou e anda a 'lucrar' com estes negócios?! 

Na minha opinião, este gajo,  'paga umas boas fatias' dos contratos que vai fazendo aos 'intrusos da bola'. Não é só à base de bons empresários que se vai tão longe sem sucesso que se veja por trás.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

«Os vouchers deram bola»


UEFA REJEITA RECURSO DO SPORTING E CONFIRMA QUE 'VOUCHERS' NÃO SÃO CRIME

Benfica emite comunicado e congratula-se com decisão sobre caso

O Benfica anunciou esta quarta-feira que o Comité de Apelo da UEFA rejeitou o recurso do Sporting após a decisão do Comité de Controlo, Ética e Disciplina da UEFA, validando a legalidade dos 'vouchers'.

Leia o comunicado na integra:
Após audiência disciplinar realizada no dia de ontem, em Nyon, na Suíça, o Comité de Apelo da UEFA veio rejeitar o recurso interposto pelo Sporting Clube de Portugal contra a decisão do Comité de Controlo, Ética e Disciplina da UEFA de não instaurar qualquer processo disciplinar ao Sport Lisboa e Benfica na sequência da denúncia efetuada por aquele clube relativamente ao denominado processo "Kit Eusébio/Vouchers".

Esta decisão confirma também aquela que foi proferida a 21 de novembro de 2016 pelo Inspetor Disciplinar e Ético da UEFA.

Estamos, pois, perante a terceira e última decisão da UEFA, rejeitando definitivamente a participação disciplinar do SCP sobre este tema.

O Comité de Apelo da UEFA vem, assim, corroborar também todas as anteriores decisões tomadas pelas diversas instâncias desportivas nacionais (Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol e Tribunal Arbitral do Desporto).
notícia daqui
título da minha responsabilidade

terça-feira, 5 de junho de 2018

MENSAGEM A QUEM AINDA AMPARA BDC



Na sua crónica de hoje, no jornal record, Bruno Prata diz o que muitos pensam mas não querem admitir em relação ao estado actual do Sporting Clube de Portugal.
Vale a pena ler com atenção.
 

LUDOPÉDIO

Confirma-se que é muito mais fácil convencer Tony Carreira de que o plágio é uma contrafação ilegítima do que persuadir Bruno de Carvalho (BdC) a largar o cadeirão de Alvalade – algemar-se-á a ele, se for preciso. Desde logo porque BdC nunca irá perceber que o poder já degenerou em tirania quando deixa de respeitar as regras mais elementares da democracia e dirige a sua mira apenas para o bem pessoal de quem o exerce. Já se sabe que, tal como na política, no futebol é sempre difícil distinguir os homens capazes dos homens capazes de tudo. Mas, mesmo assim, é cada vez mais misterioso que uma parte importante dos sorumbáticos apoiantes que teimam em manter-se do lado de BdC não tenham ainda fisgado que até a bateria do meu telemóvel dura mais tempo do que que os verbosos comprometimentos do presidente do Sporting. E ainda mais indecifrável é que esses resistentes não vejam que estão a dar suporte a algo tão peçonhento e autodestrutivo. Como é possível que não percebem sequer que BdC está tão obcecado e precisa tanto de se manter na presidência que, se for preciso, não hesitará em levar com ele o Sporting para o fundo do poço? Para BdC, o Sporting é um mundo em que os príncipes e as princesas podem, a qualquer momento, ser transformados em sapos ou abóboras, ou vice-versa. E, para ele, o trabalho de equipa é apenas a garantia de que, se algo der para o torto, tem sempre alguém a quem atribuir as culpas.
Recorrendo apenas à memória, recordo-me de um presidente do Sporting que conseguiu, em cerca de quatro meses, arrasar animicamente uma equipa competitiva e ambiciosa. E que conseguiu minar e zangar-se com o treinador, cenário que repete pela terceira vez desde que foi eleito. E que dizer das suas mensagens desvairadas no Facebook e das entrevistas alucinadas, que pareceram ser escritas e dadas cirurgicamente nos momentos mais inoportunos (designadamente na véspera de jogos importantes)? Alguém tem dúvidas de que desestabilizaram o balneário e concorreram para acirrar ainda mais os ânimos junto de alguns membros da claque e de outros adeptos mais suscetíveis, como se viu no episódio em que Patrício teve de fugir da baliza para não ser atingido pelas tochas? BdC conseguiu ainda ser desmentido pela Procuradoria Geral da República e por uma associação de polícias (quando procurava convencer-nos de que já havia relatórios daquelas duas entidades a inocentá-lo da autoria moral da vergonhosa e não menos criminosa invasão a Alcochete). Viu ainda o Sporting envolvido na "Cashball", investigação policial relativa à possível viciação de resultados no andebol e no futebol (e não apenas uma notícia do Correio da Manhã, como BdC nos tenta vender). Em resultado disso, aquele que era visto como braço direito do presidente foi constituído arguido, continuando por explicar os milhares de euros encontrados no seu armário que indiciam a possibilidade da existência de um "saco azul" para atividades, digamos, "extracurriculares". Num estalar de dedos, evaporou-se a superioridade moral que, nesta área, o Sporting sempre pôde ostentar. Seguiram-se as demissões de dirigentes em catadupa nos diversos órgãos, só restando hoje aquele círculo restrito do conselho diretivo, que tem o condão de ser bem remunerado e ficará para a história como corresponsável pelo maior ataque alguma vez feito à honra do Sporting. Porque não pode haver outra leitura para uma direção e uma administração que parecem ter rasgado os estatutos do clube e não respeitam o presidente da AG nem os mais de quatro mil sócios que exigem votar a destituição da direção – sendo que, na SAD, o maior acionista individual pede a destituição de uma administração acusada de violação dos seus deveres, de desviar dinheiro para o clube e de desvalorização dos ativos. Finalmente (e após mais um episódio em que ficou evidente por que razão para um artificioso vale sempre mais uma carta na manga do que um baralho inteiro sobre a mesa), dois futebolistas rescindiram os seus contratos, um deles Rui Patrício, que levava 17 anos em Alvalade e já fez mais pelo Sporting do que o presidente e todos os seus capatazes alguma vez farão. E há a possibilidade de outros tomarem a mesma atitude, o que pode ameaçar de insolvência uma SAD que ainda não conseguiu garantir o empréstimo obrigacionista de que parece depender até a gestão corrente – o que desmente boa parte dos elogios a uma gestão financeira que já antecipou muitos milhões de receitas televisivas futuras.
Quem continua a fechar os olhos a tudo isto não está apenas a dar suporte a um BdC que parece nutrir-se da bagunça e anarquia que ele próprio foi criando. Está a sustentar um presidente que se confunde com um kamikaze e a alinhar numa trágico-comédia demasiado perigosa.


O aliado duplamente útil

Mais do que deixarem-se intoxicar nas infindáveis sessões de esclarecimento de Bruno de Carvalho (que mais não são do que comícios propagandísticos à boa moda sul-americana e cuja logística é, quase de certeza, paga pelo próprio clube, no que parece ser um despautério enorme), os adeptos do Sporting deviam forçar-se por perceber, por exemplo, por que razão o FC Porto raramente critica o Sporting e o seu presidente Bruno de Carvalho. E esta perceção é ainda mais nítida quando se observa boa parte dos comentadores televisivos ligados aos portistas, que se destacam pela forma, mais ou menos evidente, como fazem a defesa do presidente leonino, como se lhes desse muito jeito a sua manutenção no poder. A explicação é muito simples: para o FC Porto, o Sporting é visto como um aliado duplamente útil. É o correligionário que ajuda nos ataques ao Benfica (que, de facto, não consegue justificar suficientemente as injuridicidades de que é acusado…), designadamente quando o FC Porto quer atirar a pedra e esconder a mão. E é também o prosélito que dificilmente incomodará desportivamente. Ou melhor, mesmo que pareça em condições de o fazer em determinados momentos e circunstâncias, há sempre a garantia de que Bruno de Carvalho pode mudar de discurso, mas nunca mudará de caráter e não resistirá a dar um tiro no próprio pé nos momentos mais determinantes. Ou seja, é uma aliança em que o FC Porto parece sair sempre a ganhar…

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Sob suspeita

Em baixo, mais um programa da CMTV sobre todo o lamaçal em que se encontra o futebol português. Um painel diferente com adeptos do Sporting e do Benfica.


 

«Estórias da bola»

domingo, 3 de junho de 2018

As rescisões no Sporting

Foi assim que se analisou na sic as rescisões conhecidas até agora no Sporting. 

Não está nada fácil para quem verdadeiramente gosta do Sporting e encara o futebol sem clubite e fanatismo. Aos outros, só apetece dizer - tem o que merecem! 


Não percam isto...

Quem gosta verdadeiramente de futebol e de 'estórias' ligadas ao mesmo, não perca estes excelentes programas da Sporttv - o Bar Sporttv. 


Em baixo, um dos programas com 'estórias de ir às lágrimas'. 
Ver mais aqui.




sábado, 2 de junho de 2018

«O pinta rodapés quer saltar fora»



Num momento em que o Sporting vive um dos piores momentos da sua história, o conhecido e polémico director de comunicação do Sporting entra de férias. 
Claro que todos temos direito a férias, mas há atitudes que dizem muito de certos e determinados indivíduos. 

Não é muito difícil perceber esta decisão, o conhecido 'pinta rodapés' está ver o barco afundar e vai-se preparar para saltar fora.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

«A compra de jogadores adversários, parte II»



No passado dia 18 de Maio, escrevi aqui que não era só o Sporting o suspeito 'na compra de jogadores adversários'.
 
Hoje, digo - não é só o Sporting e o Benfica os suspeitos, há muitos mais. O lamaçal em que está o futebol português necessita de uma limpeza urgente.
 
 

Tal como no outro post, acabo da mesma maneira:
 
Até lá, entretenham-se com a clubite e com aquela máxima que o pessoal do meu clube é que é bom e sério e os outros é que são corruptos. 

Aconselho aos arautos da verdade desportiva, umas pipocas como companhia, porque o 'defeso' vai-nos voltar a surpreender.

 
 

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Bendita sois vós entre as mulheres

19 jogadores do Sporting contam tudo sobre o ataque a Alcochete (e como Palhinha protegeu Montero)

nota: este artigo contém linguagem que pode ofender a sensibilidade dos leitores, mas é mantida no artigo tal como surge nos autos da GNR de forma a que se entenda na plenitude a violência a que foram sujeitos os elementos do Sporting Clube de Portugal alvo de ameaças e agressões
A Tribuna Expresso teve acesso a mais de 20 testemunhos de elementos do Sporting prestados no Comando Territorial de Setúbal na noite de 15 maio, horas depois do ataque do grupo de encapuzados a Alcochete. Jogadores, fisioterapeutas, um scout e um preparador físico traçam um cenário de terror que começou pouco antes das 17h e terminou minutos depois - mas que deixou um rasto de violência física e de abusos verbais que levaram os "depoentes" a estados de "choque" e a "temer pela vida".
Este é um relato de socos, pontapés, estaladas, um garrafão de 25 litros de água, cintos, empurrões, tochas, queimaduras , ameaças, cacifos, caras tapadas e descobertas, algum sangue, alvos definidos - e de uma ideia comum: a de que aquele grupo sabia por onde entrar e aonde se dirigir e atuou "em bloco", "com alguma organização", agiu "premeditadamente" e bloqueou a saída enquanto espalhou o medo.

Bas Dost (jogador)

O holandês refere que primeiro passaram dois grupos de homens por ele (um composto por dois, outro por seis indivíduos) sem que nada acontecesse. Posteriormente, um homem encapuzado deu-lhe com um cinto na cabeça que "o fez cair no chão", onde continuou a ser agredido pelo mesmo agressor e por outro que lhe fez companhia. Bas Dost confessou ter "ficado em estado de choque".

Acuña (jogador)

O argentino refere que o grupo tentou fechar a porta do balneário aos invasores, mas que tal não foi possível dado o número destes últimos, "cerca de 50 elementos que trajavam roupas escuras e alusivas ao Sporting Clube de Portugal, todos de cara tapada, que rapidamente forçaram a entrada no balneário". Acuña confessou que "sobre ele caíram cerca de 5/6 meliantes que o agrediram fisicamente com murros na zona da cabeça e corpo". O sul-americano disse também que os "meliantes o ameaçaram", dizendo que sabiam onde morava e que devia ter cuidado.

William (jogador)

O médio, tal como todos os outros futebolistas, encontrava-se no balneário a trocar de equipamento para o treino no relvado quando os invasores irromperam nas instalações. "Foram lançadas várias tochas de fumo, ouviu gritos." William garante ter sido "agredido por três indivíduos com socos na zona do peito". No final do testemunho, William afirma que "teve conhecimento pelo seu colega de nome Rui Patrício que já existiram situações passadas de ameaças de adeptos aos jogadores da equipa".

Battaglia (jogador)

O argentino declarou ter visto os "indivíduos irromperem pelo balneário [...] a perguntar onde estava o Battaglia". "Quando o visualizaram, dirigiram-se à sua pessoa cerca de cinco a seis indivíduos que o ofenderam verbalmente, ameaçaram-no de morte". Enquanto era insultado, Battaglia foi agredido com "murros na face, ombro direito e tronco e ainda, enquanto estava a tentar proteger-se, foi atingido na cintura e costas com um garrafão de 25 litros de água que lhe provocou fortes dores".

Misic (jogador)

O médio foi agredido com um cinto na cabeça por um indivíduo corpulento de 1,80 metros.

Bruno César (jogador)

O brasileiro subiu a uma maqueira e, ao espreitar pela janela do balneário, viu um grupo de indivíduos de cara tapada e com cores do Sporting. Não foi agredido, mas viu William e Battaglia a serem agredidos com socos e bofetadas; quando tentou socorrer os colegas, foi ameaçado de morte. Segundo Bruno César, "o grupo atuou sempre em bloco, com alguma organização, presumindo que tais atos foram premeditados, barrando claramente a tentativa de fuga dos atletas para o exterior".

Freddy Montero (jogador)

O colombiano diz que "os indivúdos forçaram a entrada no balneário ao mesmo tempo, dispersaram-se do mesmo, arremessaram vários artigos pirotécnicos, entre os quais bombas de fumo e tochas". Montero recorda-se de ouvir "onde está o Acuña e o Battaglia?", entre insultos. Depois, Montero foi agredido com duas estaladas e garantiu que teria sido "mais agredido" se Palhinha não se tivesse agarrado a ele, para o proteger.

Fábio Coentrão (jogador)

O defesa garantiu que não foi agredido mas viu os seus colegas serem alvo de agressões. Temeu pela vida perante o grupo de agressores, que atuou sempre "em bloco, com uma certa orientação e organização, presumindo que tais atos foram premeditados". Fábio diz ainda temer "pela continuação de tais atos ou até de maior grau de violência".

Palhinha (jogador)

O jovem médio descreve os acontecimentos de forma semelhante aos seus colegas: espreitou pela janela e "viu um grupo de cerca de 20 a 30 indivíduos invasores entrarem a atirar tochas a arder, a revoltar o balneário, a ameaçar e a agredir alguns colegas, nomeadamente Battaglia, William, Acuña e Montero".

Ristovski (jogador)

O defesa viu Acuña e outros colegas a serem agredidos violentamente e sentiu-se aterrorizado e impotente para reagir perante o que se estava a passar. Ristovski disse ainda "sentir receio que esta situação se volte a repetir, quer no seu local de trabalho quer na sua vida particular, sentindo-se assim condicionado na sua vida por este medo".

Rúben Ribeiro (jogador)

O médio contratado em janeiro ao Rio Ave disse ter sido avisado por André Pinto que vinham ali "uns mascarilhas". Rúben "viu então o segurança da Academia de nome Ricardo tentar fechar a porta, tentando ainda opor-se à entrada dos suspeitos, não conseguindo em virtude de ser empurrado". O português assistiu às agressões a Acuña e ouviu ameaças como esta: "Se não ganham a Taça estão fodidos". Disse também ter ouvido alguém a dizer no exterior "vamos embora, vamos embora", tendo os agressores saído do local, não sem antes alguém arremessar uma tocha para dentro do balneário.

Piccini (jogador)

O defesa estava em tratamento no departamento médico quando ouviu "bastante barulho" junto ao balneário. Viu as agressões a Battaglia e a William Carvalho, sentiu medo e pânico, mas não foi agredido

Salin (jogador)

O guarda-redes diz que o grupo de invasores entrou agressivamente no balneário (vestiam de preto, cara tapada) lançando tochas de fumo, gritando e ameaçando William e Rui Patrício: "Tira essa camisola, vamos foder-te! Há tempo que queres ir embora, tira essa camisola, não te queremos mais aqui". Salin não foi agredido e tentou evitar "agressões a William e a Rui Patrício". Salin temeu "pela sua própria vida".

Doumbia (jogador)

O avançado da Costa do Marfim garante que os invasores procuravam William Carvalho e Rodrigo Battaglia, que o ameaçaram e que lançaram vários engenhos pirotécnicos, "provocando um intenso cheiro a queimado e uma insuportável nuvem de fumo no edifício, deflagrando o alarme de incêndio no balneário, provocando o pânico entre os presentes". Sentiu-se aterrorizado e impotente.

Gelson (jogador)

O extremo português estava a conversar com Acuña quando ouviu gritos vindos do exterior. Pouco depois, os invasores entraram e agrediram Acuña "com as palmas das mãos abertas". "Foi perceptível verificar um indivíduo com um cinto na mão direita, sendo que a parte da fivela se encontrava em efeito de pêndulo, para aquando de um movimento brusco a mesma efetuar um efeito de chicote". Gelson temeu pela vida e diz que os agressores estavam "direcionados para os atletas Acuña, Rui Patrício, William e Battaglia".

Bruno Fernandes (jogador)

O médio ofensivo estava ao lado de William e foi empurrado pelos invasores, tendo sido "cercado por vários indivíduos" e depois "agredido com chapadas". "Seguidamente, viu Battaglia, Acuña e Rui Patrício a serem também cercados e agredidos por vários indivíduos."

Petrovic (jogador)

O sérvio foi agredido com um "murro nas costelas".

Podence (jogador)

O português descreve que o segurança da Academia tentou suster o avanço dos invasores com outros elementos do Sporting. Depois, uma vez lá dentro, os agressores começaram a agredir quem apareceu pela frente, sendo que William se levantou para tentar acalmar os ânimos. "Nesse mesmo instante, William foi rodeado por três ou quatro indivíduos. Viu ainda Misic ser agredido com um cinto na face." Podence garante que Acuña e Battaglia estavam sinalizados pelo grupo que invadiu Alcochete - foram socados e pontapeados.

Lumor (jogador)

O futebolista ouviu gritos vindos do exterior e "apercebeu-se que começaram a entrar vários indivíduos com o rosto coberto por máscaras e camisolas impedindo assim que fossem reconhecidos" . Lumor não foi agredido, viu "alguns dos seus companheiros a serem agredidos pelos indivíduos que se encontravam no interior do balneário, tendo inclusivé implorado para que os mesmos parassem, mas sem sucesso".

Manuel Fernandes (funcionário do Sporting, ex-jogador)

Manuel Fernandes, um dos símbolos do Sporting, refere ter visto "30 indivíduos a dirigirem-se em corrida em direção ao balneário onde se encontrava a equipa de futebol do Sporting". Viu "vidros e portas partidas", objetos nas mãos dos invasores e no "interior do balneário" olhou para Bas Dost "a sangrar da cabeça, ostentando diversas marcas".

José António Laranjeira (scout)

O scout do Sporting viu "cintos" e "um objeto cilíndrico" nas mãos dos invasores, que traziam máscaras de esqui, cachecóis e refere que Jorge Jesus foi agredido por trás com um "murro na cara". Mais tarde, Laranjeira assistiu a uma conversa entre Jorge Jesus e William Carvalho com cinco dos invasores de cara descoberta, que terão dito: "Não era isto que pretendíamos, o nosso objetivo era falar com os atletas". O scout avança a hipótese de William conhecer os indivíduos "membros da claque Juve Leo". Além disso, os invasores "conheciam as instalações, bem como do interior do edifício que invadiram, pois estes dirigiram-se diretamente ao balneário".

Gonçalo José Fontes Aveiro (fisioterapeuta)



O fisioterapeuta viu um "indivíduo a atirar uma tocha acesa para o interior do balneário", embora não o tenha conseguido "reconhecer por estar de costas". Gonçalo diz ter "conhecimento de que vários jogadores sofreram lesões provenientes dos ataques de que foram vítimas".

Ludovico Marques (massagista)

O massagista Ludovico Marques, que serviria também de tradutor para Doumbia, ouviu rumores de que havia "adeptos encapuzados" na Academia, tendo ouvido depois insultos como "filhos da puta, joguem à bola". Segundo Ludovico, "20 ou 30 indivíduos de cara tapada" entraram no balneário, quatro deles a "dirigirem-se a Acuña, agredindo-o com socos e pontapés". Mais: disse que viu Acuña "encolher-se em posição de defesa, encostado ao cacifo". William Carvalho também foi "cercado no meio do balneário por cerca de cinco indivíduos que o agrediram com vários socos, pontapés e a ser agarrado na cabeça e nos braços". O "enfermeiro Carlos Mota [foi] agredido por um indivíduo com um murro nas costas". Por outro lado, Ludovico viu "dois indivíduos a arremessarem duas tochas acesas, tendo uma delas sido enviada contra os jogadores e outra foi colocada no caixote do lixe". Por fim, o massagista também alude aos insultos e às ameaças: "Vocês são uns filhos da puta. Cabrões. Montes de de merda. Estão fodidos! Vamos rebentar-vos a boca toda".

Mário Monteiro (preparador físico)

O preparador físico levou com uma tocha que lhe queimou o braço e a barriga. Depois, em conversa com Fernando Mendes, líder da Juve Leo que lhe confessou não se rever no que se tinha passado, mostrou-lhe as queimaduras.